18 agosto 2008


POIS É... Acontece...

Então... Saí do infantil, sem muitas pretensões, pretendendo fumar pouco e fui direto pra casa do Caio Graco. A idéia, na verdade, era comer uma pizza de graça na Cobal do Humaitá, mas, pra abrir o apetite, decidimos dar uma passada na casa do Caio. E fomos.

Na hora de ir embora, ainda sem pretensão nenhuma, notei uma revista que repousava por ali, perto da saída da casa. Logo vi Juliana, que estava linda e nua, com poucos panos brancos de muito bom gosto enrolados no corpo. A foto dela era muito interessante e charmosérrima. Era inevitável, folheei as primeiras páginas e notei alguma diferença. Perguntei logo – é uma playboy especial? Eram muitas mulheres diferentes e todas muito cativantes. E realmente, era uma edição extra, para colecionadores como diz na própria capa. Fui ficando seduzido por aquele prólogo, com tantas informações diferentes (era uma de cada país). Eu não estava conseguindo ir embora, como queria o Caio e os outros, eles sentiam fome. Tentei pedir que esperassem, tentei folhear mais rápido, mas realmente eles queriam ir. O proprietário das folhas disse – eu te empresto, quer? O que fazer numa hora dessas? Eu aceitei, lógico! Ainda estava longe de ver as fotos que eu mais desejava, Juliana só falaria comigo lá pela página setenta. Coloquei na mochila. Algumas piadas sobre masturbação foram feitas e acabamos saindo.

Em casa, de madrugada, sem nenhum tipo de pretensão, quis conferir Juliana, pelo amor de Deus, que já era hora! Aliás... Meu Deus! Que Juliana! Quantas coisas vêm à cabeça ao se deparar com esse tipo de Juliana! Mas enfim... Sem pretensões. Folheei até o fim e pude constatar que era verdade a informação sobre ser uma edição especial, eram muitas mulheres e todas fantásticas! Pra ser sincero, até babei, literalmente. E é exatamente aí que está o problema...

Bom... Eu sei o que aconteceu, quero dizer, eu estava lá, e na verdade não aconteceu foi nada! Mas como explicar ao dono da revista que aquilo é água (ou, pelo menos, saliva)? Não me leve a mal, não pretendo ser grosseiro ao escrever sobre esse tipo de coisa, mas me peguei pensando seriamente sobre isso! Tem uma marca em uma das fotos que não tinha antes, eu que fiz! Mas eu juro que só estava bebendo água! Além de tudo levando em conta as piadas que foram feitas e refeitas ao sair daquele apartamento, ninguém vai acreditar em mim! Nem eu acreditaria, e olha que não havia testemunha! Nossa... Que situação... A única coisa que eu posso fazer é devolver a revista e explicar logo a verdade, mesmo que ele não acredite. E eu apostaria meu carro (se eu tivesse um) que ele não vai acreditar. Até eu já estou ficando confuso! Será que foi isso mesmo?...

2 comentários:

Mariana Barcellos disse...

Até eu babei por essa revista que estava na sala...(só não sei se foi por estar em estado de choque ou qualquer outra coisa)
A parte que eu mais gostei foram os re-makes de capas mais antigas... mas isso não vem ao caso!

Andrè disse...

Eram belos re-makes