30 agosto 2008


LEVE O SEU chinelo

Quero pedir pra você não me amar nunca mais
Porque eu não capaz
De te entender

Poderia, se eu pudesse até faria o que desse pra ser
Mas não vai dar
Não sou capaz de você

Sai, leva o amor embora e tranca essa porta que eu não quero ver
Não quero olhar nada que se pareça com você
Porque vai doer, ah, vai doer
E eu vou te odiar
Se você me olhar
Com intenção
Se você me olhar com intuitos estranhos, tudo tão
Sem raciocinar
Eu vou te odiar
Inda espalho que estava na razão

Sai dessa casa voando
Me abandone chorando
Dê o fora daqui
E leve o seu chinelo
Que dele eu não quero nem saber
Leve o seu chinelo
Que o cheiro me lembra você

Sai dessa casa pulando
Saia pela janela
Me deixe dormir
E leve o seu chinelo
Que dele eu não quero nem saber
Leve o seu chinelo
Que o cheiro me lembra você

6 comentários:

Júlia disse...

sambinha

Betina disse...

ia comentar exatamente isso: parece uma música, um sambinha!

Andrè disse...

Mas é uma música, na verdade já escrevi musicada, mas não dava pra botar isso ai... quem sabe uma hora dá!

Mariana Barcellos disse...

Deixar objetos por aí é uma volta...

mary_nana10 disse...

impressionante!! da para sentir a agonia.. a situaçao.. consigo imaginar a cena perfeitamente!! sinto.. e lembro.. de ocasioes exatamente como essa!! como doi!!! aaah doi!!

como jah disse.. de tao sincero, passa a agonia e a angustia entremeadas nas palavras.

Andrè disse...

Que maravilha prima, adorei o que tu disse!